CONTADOR DE VISITAS

sábado, 24 de novembro de 2012

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA - PAULO FREIRE

Resumo de alguns pontos:

Capítulo I



Não há docência sem discência”

Paulo Freire fala sobre o aprender e ensinar, de como se pode “ensinar e aprender e aprender a ensinar”, que não devemos ser apenas o professor, mas sim o aluno. Que é necessário sempre a aperfeiçoamento e estar aberto à aprendizagem, mesmo que esta aprendizagem seja também em sala de aula com seus alunos.


Além de estar à frente de uma sala de aula, não podemos ser somente o professor que apenas repassa o que aprendeu, mas que ajuda o aluno a adquirir um conhecimento próprio, o autor ainda questiona o conhecimento bancário que se usou e se usa muito, onde o professor deposita um conhecimento pronto que o aluno e no final do mês “tira um extrato” daquilo que ensinou e esse conhecimento deve ser igual, sem questionamento.
A questão é não que o conservadorismo no ensino seja errado ou não, não é o principal questionamento, mas sim que haja no professor o aspecto progressista deve ser acrescentado para que o aluno não seja um mero “repetidor” de teorias e não acrescente nada em sua educação.

1.1– Ensinar exige rigorosidade metódica

Aprender sendo critico do próprio aprendizado é a forma de reconstruir em cima do que já foi construído, isto é, fazer ter a possibilidade de criar o novo com o que conhecemos.



Isto serve para a leitura que fazemos, que não deve ser uma leitura mecanicista, mas uma leitura que nos faça refletir sobre o que lemos e nos trazendo um pensamento crítico sobre a leitura.

 
1.2 - Ensinar exige pesquisa

“Pensar certo” para Paulo Freire é partir de um conhecimento simples e buscar através de pesquisas expandir e multiplicar este conhecimento, isto é, não permitir o erro. A buscar pelo conhecimento deve ser incessante e assim o professor deve ser – um eterno pesquisador – e ensinar aos seus alunos a serem pesquisadores.

 
1.7 – Ensinar exige risco, aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de discriminação

Pensar o novo não é excluir o antigo, mas rever seus métodos, por isso, o autor nos diz que não devemos ser educadores que apenas transmitem o conhecimento, mas que torne cada conhecimento um novo pensar, um pensar que não tenha preconceitos entre o novo e o antigo, e que façam de ambos proporcione o “pensar certo”, mesmo que no início apareçam equívocos.

 
2.3 – Ensinar exige respeito à autonomia do ser do educado

O que nos diz o texto é que à necessidade de respeitar o outro em sua individualidade, isto é, perceber o aluno em suas diferenças estabelecendo diálogos que possam permitir que cada ser entenda o outro em sua autonomia. Aprender a respeitar e conhecer o outro, assim também se aprende.

 
Bibliografia:

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008. 148 p. (Coleção Leitura)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...